Tuesday, June 20, 2017

Le Mans - duas corridas parecidas

As 24 Horas de Le Mans desse ano me fizeram lembrar de outra edição da corrida.

Nas últimas edições de Le Mans, temos nos acostumado com um domínio supremo dos LMP1 de fábrica, que além de rápidos, pareciam essencialmente inquebráveis, correndo 24 horas como se fosse um GP de hora e meia. Numa corrida cheia de surpresas – e um grid nanico de LMP1s - quase dá zebra. Meio bilhão de dólares seriam jogados no lixo, se um mais humilde LMP2 ganhasse a corrida e todos LMP1 ficassem pelo caminho.

Há algumas coincidências com uma outra prova. Nas duas edições em pauta, a Porsche foi protagonista e acabou ganhando. Em 2017, como em 1977, a Porsche tinha ganho a edição do ano anterior. E havia um outro protagonista tido como favorito em ambas as edições, que simplesmente TINHA que ganhar a corrida! Em 1977, o outro era  a Renault, nesse ano, a Toyota, que perdeu a corrida na última volta no ano passado.

A Régie, cuja corrida de 1976 havia sido um pequeno fracasso, havia trazido quatro Alpines e dois Mirages para Sarthre, com fortes equipes de pilotos: Jean Pierre Jabouille-Derek Bell, Patrick Depailler-Jacques Laffite, Patrick Tambay-Jean Pierre Jaussaud e Rene Arnoux-Didier Pironi nas Alpine, e Michel Leclere-Sam Posey e Vern Schuppan-Jean Pierre Jarier nos Mirage. A Porsche inscreveu Jacky Ickx-Henri Pescarolo e Hurley Haywood- Jurgen Barth nos protótipos. Como reforço, um 935 de fábrica para Rolf Stommelen e Manfred Schurti, que ninguém esperava que ganhasse a corrida. Ou seja, 6 x 3.

Nesse ano a Porsche só inscreveu dois LMP1, contra três híbridos da Toyota. Pegou mais leve, mais uma vez.

Em 1976, a Alpine-Renault marcou a pole, e liderou boa parte da corrida, porém abandonou e a vitória ficou com Ickx-Van Lennep, com certa facilidade. Em 77, a Renault veio com tudo, e marcou os dois melhores tempos nos treinos, além de obter o quarto e quinto lugares. Os Mirage-Renault ficaram atrás do segundo 936, três 935 e uma Lola com motor Cosworth. Porém, não era prudente desmerecer a equipe que ganhou em 75 e fora segunda em 1976.

A Alpine saiu na frente, seguida dos dois 936, porém a corrida da Porsche começou a azedar logo de cara. O número quatro, de Haywood e Barth, fez sua primeira longa parada nos boxes, e saira dos dez primeiros. O Porsche de Ickx caiu para o quarto lugar na quarta hora, e daí veio a supresa. Pescarolo explodiu o motor do carro, tomando certas liberdades com as rotações. Jabouille/Bell e Depailler/Laffitte lideravam com bastante folga. Às oito da noite, o Porsche de Haywood-Barth, que chegara a ficar em 41o. lugar, já estava em décimo, algumas voltas atrás das Alpine. Daí a Porsche resolveu colocar Ickx no carro.

O belga começou a andar dez segundos mais rápido do que as Alpines, e foi subindo, subindo, subindo na classificação. Na décima terceira hora, o Porsche chegou ao segundo-lugar, ficando atrás somente de Jabouille-Bell.    E na décima oitava hora, mais precisamente às 9:27 da manhã,  Porsche liderava a corrida, pois o motor da Alpine número 9 quebrara. Ainda sobrara a número oito (!!!), que resistiu até a 20a. hora.

Quem TINHA que ganhar em 77, a Renault, não ganhou. Como não ganhou a Toyota neste ano. A vitória ficou mesmo com Haywood-Barth e Ickx, o primeiro trio a ganhar Le Mans, que chegou a estar em 41o. lugar. (Ed Hugus supostamente também pilotou o carro vencedor em 1965, porém, não foi incluido no resultado oficial).  Todas Alpines quebraram. O não veloz, mas confiável Mirage-Renault de Schuppan e Jarier chegou em segundo lugar, o que não foi suficiente para alegrar os franceses.

Os detalhes diferem um pouco, mas no fim das contas, quem ganhou foi o mais fraco dos seis favoritos, que teve que ralar bastante para ganhar a prova.


Enquanto estava pensando neste texto, assistindo a TV, para minha surpresa, entrevistaram Monsieur Ickx, o heroi de 1977, que também disse que a corrida o fazia lembrar a prova de quarenta anos atrás...

Com esta vitória, Ickx alcançava o conterrâneo Olivier Gendebien, tornando-se o maior vencedor das 24 horas. Ainda ganharia mais duas, e seu recorde sobreviveu até aparecer um certo Tom Kristensen.


A Renault persistiu e voltou no ano seguinte, ganhando com Pironi-Jaussaud, finalmente batendo a Porsche. Espero que a Toyota também persevere, e que ganhe a corrida do ano que vem. Para mim fica óbvio que o futuro da corrida seja a categoria LMP2. É bem certo que  Oreca-Gibson não significa absolutamente nada para a maioria da população do mundo, porém, não vejo muito futuro para a categoria com somente dois fabricantes, que quase jogam a corrida no lixo neste ano. E meio bilhão de dólares.   

No comments:

Post a Comment